sábado, 1 de novembro de 2014

DRACULA E SUA ORIGEM

Drácula, a Verdadeira Historia, o fime atual.

Aproximadamente 193 filmes, entre cinema e TV foram realizados abordando a figura de Drácula, personagem criada pelo escritor irlandês Bram Stoker (1847-1912), com base no conde romeno Vlad Tepes que se notabilizara em seu reinado na Transilvânia por empalar os inimigos do império otomano que foram vencidos em guerra, chegando a beber o sangue de alguns deles. O método de empalamento consistia em cravar uma estaca no corpo da pessoa do anus à cabeça, e fora empregado por turcos otomanos em cristãos que se declaravam contra Maomé ou tinham relações com mulheres muçulmanas. O método era tão bárbaro que embora conhecido dos romanos não chegou a ser empregado por estes.
Os filmes trataram de Drácula como um vampiro sedento de sangue. Só atacando as jugulares da vitimas ele conseguia manter-se vivo desde que não visse os raios solares. Para atacar os vampiros, a partir de Stoker, contou-se que era preciso cravar uma estaca em seu peito ou afugenta-lo com alho e/ou crucifixo.
O novo filme, “Dracula, a Verdadeira Historia” (Dracula Untold, EUA, 2014) segue a moda de apresentar as origens de histórias que renderam filmes lucrativos. E no caso dos estúdios da Universal isto é prazeroso até pela firma ser a que mais prestigiou o gênero no passado de Hollywood, produzindo uma série de filmes de monstros, tarefa do produtor Carl Leammle Jr. que afinal promoveu a Universal a estúdio classe A.
Nesta produção dirigida pelo irlandes Gary Shore, um estreante (fez antes um curta metragem) cita-se o principe Vlad, que no inicio do filme está lutando para salvar o reino dos ataques otomanos posto que estes exigiam, para manter a paz, cem crianças para serem criadas como soldados turcos. A direção de arte tenta sempre driblar os recursos limitados (nem tanto quanto o que se dispunha quando o ator Bela Lugosi - 1882-1956- incorporou o tipo nos anos 30) e a fotografia opta pelos espaços escuros nas cenas de ação. O diretor é coautor do roteiro, escrito de parceria com Matt Sazama e Burk Sharpless. Interessa tanto as origens do mito que o vampiro acaba sendo visto como o “mocinho” da historia, inspirando mais simpatia da plateia do que propriamente horror. Segundo o argumento, Vlad só se torna vampiro porque aceita um pacto demoníaco com uma figura sinistra que mora numa caverna. Como vampiro ele pode dizimar um exercito e completar a tarefa enviando morcegos aos ataques.
A proposta de desmistificar certos mitos, como no caso de Malevola, é uma das fórmulas usadas pelo cinema atual  atendendo a um revisionismo imposto pelos jovens consumidores de tramas tradicionais. Por isso o novo Dracula dista de um Lugosi ou Christopher Lee para ser Luck Evans, inglês que protagonizou o Aramis da ultima versão de “Os 3 Mosqueteiros”, e o detetive Fields, de “O Corvo”(também o Zeus de “Imortais”). O tipo se torna simpático também pelo fato de ser visto como um homem de família, apaixonado pela esposa e pelo único filho, um garoto que o idolatra e que será seu seguidor no trono.
Pode-se dizer que o filme é bem administrado. A linguagem linear não demonstra que se trata de um diretor novato e os atores, apesar de exageros em alguns casos (como o de Mirena/Sarah Gadon, esposa de Vlad) têm um bom desempenho, sem sair de estereótipos. Afinal, o filme é comercial ao extremo e pretende dar lucro ou, quem sabe, gerar continuações. Mesmo assim, o lançamento norte-americano não foi auspicioso. De qualquer forma os que se ligam no gênero vão achar curioso um Dracula no estilo galã e de bom coração. E mais: um suposto reencarnado no mundo contemporâneo a procura de sua amada Mirena que também está de volta...


Um comentário:

  1. Alex brata da Silva8 de novembro de 2014 05:07

    Gostei embora apresente algumas falhas me conquistou , como mais uma historia de vampiro. Gostei da versao dada sobre a origem do mito Dracula. Spoiler: o que vale a pena luta pelo povo ou familia?
    15 h · Curtir

    Alex Barata da Silva Essa escolha fica claro quando depois de transforma seu povo em vampiros, Vlad se ve obrigado a destruilos para salva o filho.

    ResponderExcluir