terça-feira, 1 de abril de 2014

O DIA QUE DUROU 21 ANOS



O presidente João Goulart em um de seus pronunciamentos

Muito oportuno o titulo do documentário de Camilo Tavares sobre o golpe militar de 1964 e que hoje será exibido no cinema Olympia como parte da programação: “1964: Lembrar Para Não Esquecer”.
O filme repassa a gênese do golpe (crise provocada pela renúncia do presidente Jânio Quadros em 1961) e focaliza primordialmente o papel dos EUA em todo o processo. Centra, principalmente, na ação do embaixador norte-americano na época, Lincoln Gordon, passando pelas inúmeras manifestações do então presidente John Kennedy sobre a situação do Brasil e transferindo-se para o sucessor dele, Lyndon Johnson após o assassinato do primeiro. Prossegue até 1969, com o sequestro do embaixador Charles Burke Elbrick, por grupos armados, que pediam a sua troca pela libertação de 15 presos políticos (entre os quais estava o jornalista Flávio Tavares, pai do cineasta), banidos para a cidade do México. É nessa cidade que em 1971 nasce o cineasta cuja primeira idéia do filme seria abordar a vida do pai.
Imagens mostram navios dos EUA nas proximidades de águas brasileiras prontos para entrar em ação se os militares do país não depusessem Goulart. Havia até mesmo um porta-aviões esperando ordens para sobrevoar pontos estratégicos.
A CIA e a casa Branca teriam tido um papel de destaque na estrutura golpista, com o Pentagono preocupado com a transformação do Brasil numa “nova Cuba”.
A operação chamada “Brother Sam” é esmiuçada com documentos e entrevistas com pesquisadores brasileiros e norte-americanos, num prodigioso levantamento de dados, com as gravações sonoras liberadas em 1969 pela  Biblioteca Presidencial Lyndon Baines Johnson, audios que foram difundidos em 2004 pela organização governamental “The National Security Arquive”. Há ainda materiais encontrados em outras bibliotecas onde a memória de John Kennedy (1961-1963) e de Lyndon Johnson (1963-1969) são preservadas, além de imagens de emissoras de tevê dos EUA.
As intervenções dos presidentes norte-americanos ao processo se fazem atreladas às suas vozes nas assertivas com Lincoln Gordon e outros brasileiros que estiveram no conluio militar.
A costura do material que o cineasta encontrou ganha um ritmo de filme dinâmico e o espectador comum, mesmo o que abomina o genero “documentário” fica empolgado com o que vê. Devido a opção por ferramentas de ficção usando o audio e as imagens dos presidentes norte-americanos ao lado de figuras da política brasileira, material manipulado digitalmente conforme estivessem negociando a intervenção e o golpe no Brasil, alguns críticos viram nisso certo desconforto quando, ao meu ver, se torna uma maneira de ostentar as conversasões permeadas de informes dos inúmeros “espias” daquele país que chegavam com a função de repassar informações. Se o olhar de Kennedy se desloca para uma outra sequencia em que Jango está em visita e cumprimentando o presidente chinês ou russo, trata-se de uma maneira objetiva de mostrar que essas imagens reais causam desconforto aos grandes parceiros do golpe. E isso é conseguido com a comprovação dos documentos em fac-simile que são expostos no filme. Também a presença dos historiadores norte-americanos narrando os fatos em processo vem comprovar que essa versão do golpe era do pleno conhecimento da “inteligentzia” daquele país. Os jornalistas e pesquisadores brasileiros – Marcos Sá Corrêa e Carlos Fico, este professor da UFRJ – não somente dão suas lembranças pessoais, mas confirmam as situações políticas que ocorreram nesses anos de prisões clandestinas, tortura, morte e desaparecimento de cidadãos e cidadãs que se mostravam contrárias às arbitrareidades.
A narrativa estanca no governo Medici. O fim do período citado não se esmiúça. Mas o eixo final é justamente o sequestro e a exposição dos 15 presos políticos que foram trocados pelo embaixador Elbrick e banidos para o México. O documentário “Jango” de Silvio Tendler (já exibido aqui) diz mais desse governo. Entretanto, ninguém antes tinha detalhado a participação norte-americana na invasão de nossa vida publica. Nesse ponto, o filme de Tavares chega a ser enfático e penetrante.

O programa que está no Cine Olympia vai seguir até domingo, dia 6, com filmes e depoimentos de pessoas que viveram a época. Um momento histórico para um episódio triste da vida do país. Mas que mostra a sua cara a medida que essas verdades se tornam públicas. 

3 comentários:

  1. Alex Barata da Silva4 de abril de 2014 06:10

    Luzia, bem que esse filme poderia ficar mais tempo em cartaz no Olympia, tai a sugestão

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o blog, adorei. Muito interessante!!

    ResponderExcluir
  3. Sra. Luzia,
    Cheguei, por acaso, ao seu blogue, quando procurava informações sobre o filme "Recordações", com Susan Hayward, uma das minhas queridas atrizes. Ao ver que a sra é de Belém, me lembrei de Acyr Castro, escritor e também crítico de cinema. Chegamos a nos corresponder por algum tempo, conheci-o quando estive nessa cidade em 1999, mas, por esses mistérios da vida, perdemos o contato. A sra sabe informar se ele está vivo? Espero que sim e com saúde. Antecipando agradecimentos, envio-lhe o meu abraço. Francisco Sobreira

    ResponderExcluir