sexta-feira, 28 de junho de 2013

COMÉDIAS NACIONAIS



"Minha Mãe é Uma Peça" em exibição. 

Num tempo em que o país mostra sinais convulsivos a comédia parece ser um remédio a lembrar como fez a sedação de males no Estado Novo e nos chamados “anos de chumbo”. Talvez não seja correto aliar o gênero ao que acontece na realidade nacional. Há um ditado antigo que afirma o fato de, no Brasil tudo acabar em samba. É mais simpático do que o posterior “acabar em pizza”. Mesmo porque traduz a índole do povo, uma alegria que se inseriu na cultura nacional a partir de sua gênese, embora não se tenha hoje essa convicção pelo rumo da carruagem. E se a comédia foi a arma de critica e o bálsamo para problemas graves do passado ela agora é um meio de uma ainda incipiente indústria cinematográfica lucrar nas bilheterias dando, a quem a produz, os beneficios que inclusive aliviam a carga dos subsídios que hoje impulsionam nossas produções cinematográficas.  O uso de estereótipos da televisão e atores que se combinam nas telenovelas têm sido benvindos também nesses quadros como meios de seduzir o público.
Filmes como “E Aí, Comeu?”(2012) e “De Pernas pro Ar”(2012) ilustram a preocupação de divertir uma plateia que paga ingresso para isso. Mas apostam numa alternativa cômica que surgiu nos anos 70 quando a censura do governo militar amarrava as ideias e suplantava o pudor dos norte-americanos no chamado Codigo Hays (aquele que Woody Allen criticou muito bem em seu “A Rosa Púrpura do Cairo”, 1985). Nos idos desse código e nos anos 70 era proibido mostrar qualquer cena que lembrasse sexo e tendência política cerceada pelo regime em voga. Tudo ou era “indecente” ou “subversivo”. E o recurso dos cineastas foi arranhar esse pudor. Veio a pornochanchada, diversificação da comédia ingênua de antes onde era possivel criticar governos, mas com a máscara de uma brincadeira (o caso de “Nem Sansão nem Dalila”, de Carlos Manga, 1951).
Hoje é contraproducente a utilização de tramas apoiadas em piadas chulas e a amostragem do sexo como aventuras de atores despidos (ou quase isso). Mas o que deu renda nos últimos anos foi esse quadro que se chamou de “neo pornochanchada”. Agora parece que cansou. Dois filmes em cartaz na cidade seguem um desvio: “Odeio o Dia dos Namorados”, de Roberto Santucci e “Minha Mãe é uma Peça”, de Andre Pollenz & Paulo Gustavo. O primeiro, já comentado aqui na coluna, inspira-se no famoso“Conto de Natal” de Charles Dickens e apresenta uma publicitária como um novo Sr. Scrooge, trocando a usura pelo mau humor diante de romance fracassado e de rigor excessivo no trabalho que lhe cabe. O filme não explorou de todo o potencial da ideia, mas deu chance à atriz Heloisa Perisée exibir seu talento. Ela é a mola-mestra dessa comédia, deixando apenas uma pequena parte para Marcelo Sabak, protagonisando o “espírito” do colega morto que lhe servirá de guia pelo tempo, a fim de constatar, primeiro, suas ações malsãs no passado, depois, que está agindo mal no presente, e em seguida insistindo no fato de que ela poderá receber o troco dessas atitudes em um futuro nada sedutor.
A outra comédia é baseada na peça de teatro que fez sucesso e chegou também à televisão. O ator-roteirista Paulo Gustavo interpreta travestindo-se, o tipo de dona Herminia, mulher aposentada e sem perspectiva de vida, que se muda de casa para a de uma tia, passando a dividir as impressões nada saudáveis desta e de uma vizinha.
“Minha Mãe é uma Peça” segue o texto original ampliando a projeção do que acha ser cômico. Mas se em “...Dia dos Namorados” a comédia se nutria de uma certa substancia, o texto & filme de “Minha Mãe...” prefere repetir o que lhe parece cômico. E a caricatura com isso ganha evidência dissipando qualquer substancia possível. O que se salienta é a fuga do chulo. Mas é pouco.
Se fugir das escaramuças é penetrar na veia cômica visual, o fato de travestir este gênero em um falso impulso para a comédia tende a subvencionar os ingressos adquiridos para um outro modelo de “cinema é a maior diversão” de tempos atrás.



Um comentário:

  1. Alex Barata da Silva28 de junho de 2013 13:47

    Luzia, vejo uma parte da critica torce o nariz para as comedias nacionais e ao memso tempo batem palmas para as comédias americanas ou de outros países, é claro que nem toda comédia é boa, mas essa critica parece que tem má vontade com astodas as comédias

    ResponderExcluir