segunda-feira, 19 de março de 2012

RESCALDO DO OSCAR

 Demián Bichir em "A Better Life". Ele concorreu ao Oscar, mas não levou.

Um leitor deste espaço pergunta se os filmes que foram candidatos ao Oscar e não chegaram a estrear por aqui ainda vão ser exibidos. Ele cita traillers em cartaz. Infelizmente declino de responder afirmativamente, mas é de supor que muitos títulos só alcançarão nossos espectadores no formado DVD. Simplesmente porque não trazem a aproximação comercial que nas nossas salas representa a fórmula indispensável ao processo de circulação de mercadoria onde há a cobertura de custos com margem de lucro.

Hoje procuro registrar os títulos de filmes que estiveram à disposição dos associados da Academia de Artes e Ciências de Hollywood e que estão faltando exibir ou ainda vão chegar às nossas salas belenenses.

“Histórias Cruzadas”(The Help) foi candidato a melhor filme e ganhou na categoria de atriz coadjuvante (Octavia Spencer) onde também concorria. Esteve nos cinemas do sudeste. Trata-se de um drama apoiado na temática do preconceito racial evidente no sul dos EUA por volta dos anos 60. No enredo, duas empregadas domesticas são focalizadas e o relacionamento com os patrões nem sempre é pacifico. Há vários tipos de brancos também focados. Poucos estimam os negros. O tema já esteve em muitos filmes e alguns da época da ação com menos ou mais violência em cena. Este exemplar dirigido por Tate Taylor com base no livro de Kathryn Stockett podia abordar o tema de outro ângulo ou esmerar-se na linguagem. Mas não há esforço para isso. A narrativa é acadêmica e o apoio maior investe nos atores.

“O Homem que Virou o Jogo”(Moneyball) candidatou Brad Pitt como melhor ator, além de concorrer na categoria de melhor filme. Pitt protagoniza um treinador de baseball que briga pelo seu time em fase de rebaixamento. Ele usa uma tecnologia matemática para indicar os jogadores mais promissores, mas esse cálculo não dá certo, embora ele insista na sua interpretaçao racional. A trama, envolve também a “cartolagem” do esporte favorito dos norte-americanos e não chega a ser enigmática para os brasileiros porque a métrica dos negócios por trás do campo é semelhante a que se vê no futebol. Considerei o filme muito especifico no seu assunto. Pitt está bem embora esteja muito melhor em “Além da Vida”(mas neste não foi indicado candidato). Não creio que o filme, dirigido por Bennet Miller, chegue por aqui.

Michelle Williams foi candidata ao prêmio de melhor atriz por seu desempenho em “Sete Dias com Marilyn”(My Week with Marilyn), de Simon Curtis. Ela protagoniza a famosa estrela de Hollywood na época em que viajou para Londres convidada a filmar “O Príncipe Encantado”, com Laurence Olivier (o grande ator também dirigindo). A história real foi escrita pelo jovem ajudante do estúdio britânico, Colin Clark (no filme interpretado por Eddie Redmayne). O melhor do conjunto é Kenneth Branagh investido de Olivier. Mas o roteiro é esquemático, a direção capenga e o resultado parece uma daquelas matérias para fãs que antigas revistas, como Cinelandia, publicavam. Penso quer o maior fã de Marilyn, o saudoso amigo Edwaldo Martins (ele a chamava de “Mariazinha”) não ia gostar.

Melhor seria se chegasse “A Better Life”(não tem nem titulo em português), de Chris Weitz. Trata de um drama que mexe com duas políticas desse país: a imigração e a falta de emprego. Enfoca um jardineiro que perde seu instrumento de trabalho na mesma medida do que já foi visto em “ladrão de bicicletas”(Vitorio De Sica), nos EUA de hoje quando um mexicano de permanência ilegal no país compra uma caminhonete com dinheiro da irmã, roubam-lhe o carro e quando recupera é preso por dirigir sem habilitação sendo também deportado para seu país de origem. Excelente desempenho de Demián Bichir. Pessoalmente, considerei sua atuação muito melhor do que do francês de “O Artista” e, sem dúvida, Bichir merecia o Oscar.

 REGISTRO

A Imovision fez uma sessão cabine do filme “Pina”, de Win Wenders , nesta quinta-feira, 15, às 10h, no Moviecon (Pátio Belém), sendo a última cabine realizada no país antes da pré-estréia do filme. É o primeiro filme de arte em 3D do cinema. Recebi convite especial de Jair Jr., da IMOVISION.

Um comentário:

  1. Alex Barata da Silva19 de março de 2012 06:27

    Sete dias com Marylin tem estreia para o proximo fim de semana, e Gostei de saber que Pina teve uma exibição na sessão cabine, bom sinal de que este filme pode chegar ao público de Belém.

    ResponderExcluir